Efeito âncora na transcrição

Efeito âncora

Efeito âncora na transcrição.

Efeito âncora na transcrição? Isso existe? Sim. O efeito âncora pode ser definido como uma hipótese mal formulada que vai transbordando para uma produção textual. Uma palavra mal compreendida vai se multiplicando dentro do texto e sua ocorrência permanece mesmo quando o transcritor descobre a palavra correta para além da metade.

Essa não correção das palavras no início da transcrição pode normalmente ser interpretado como que o transcritor não fez a segunda revisão, e acabou confiando em seu próprio trabalho.

O cuidado de se fazer a segunda revisão salta aos olhos em termos de qualidade de um texto transcrito.

Assim, a única forma de eliminar o efeito âncora é realmente proceder à segunda revisão. Os que fazem a segunda revisão estão investindo na relação com o revisor.

Trabalhos de alta qualidade podem render convites, como já aconteceu com este autor, de trabalhar com ganhos maiores do que a maioria recebe, compensando o tempo “perdido” no entendimento correto do conteúdo do áudio.

Para se livrar do efeito âncora, é necessário ter certa vivência no assunto que se está tratando. O revisor é a melhor pessoa para livrar um trabalho de transcrição de áudio do efeito âncora que o transcritor adotou, podemos dizer assim.

Nesse sentido, o revisor, ao ter tido acesso às várias hipóteses de escuta proveniente de várias intuições de escuta de várias pessoas em um mesmo projeto, pode localizar palavras que se tornam chaves e identificar termos importantes. Assim, a ação de um revisor ao fazer a quarta audição de um trabalho se torna fundamental.

A ação final do revisor é muito benéfica à organização, pois possibilita um maior índice de acertos, trazendo como resultado maior satisfação do cliente e aumentando as chances de haver nova contratação no futuro.