O áudio ideal, como deveria ser?

O áudio ideal para transcrição como deve ser

O áudio ideal, como deveria ser?

O áudio ideal. Sim, comecemos com um áudio bom o nosso dia. Um áudio considerado bom tem características favoráveis ao trabalho de transcrever. As falas são claras, a gravação está bem nítida, não há ruído de fundo, as pessoas são educadas e uma espera a outra acabar de falar sem interromper, ou então sem ficar completando o que o outro diz, muitas vezes com bola fora.

Esse tipo de áudio não é raro, o que leva muitas pessoas a se enganarem quanto à profissional. Qualquer um rema um barco durante um mar calmo, mas quando vem a tempestade, somente um experiente capitão com uma tripulação de confiança consegue vencer esse período turbulento.

O que um áudio bom não tem, então?

Ruídos – barulho externo ou interno, próximo ou distante, mas que dificultam e irritam.

Participantes desrespeitosos – um não respeita o outro. Principalmente se o entrevistador quer fazer perguntas demais ou complementar demais a fala do entrevistado, isso pode ser prejudicial à velocidade da transcrição.

Excesso de participantes sem ordem – ninguém declara o nome, falam vários ao mesmo tempo enquanto um ri o tempo todo e o outro bem próximo do gravador cochichando. Quando há perda de comando do mediador, então, o céu caiu.

Falador alfa – monopoliza toda a fala quando em grupo focal. Normalmente parece mais inteligente e domina os outros com questões muitas vezes interessantes.

Microfone longe do respondente – digamos que estamos em ambiente público, uma choperia lotada, e os dois estão jantando. Há ruído de talheres e pratos, e com o ruído do entorno alto, ainda o gravador fica mais perto do entrevistador do que do entrevistado. Essa situação não raramente acontece.

Distâncias diversas entre os participantes e o microfone – o gravador deve ser o centro das atenções. Ele deve ficar no meio da sala, de forma equidistante de todos.