O desafio é ouvir e escutar

O desafio é ouvir e escutar

O desafio é ouvir e escutar.

Existe uma diferença entre ouvir e escutar. O ouvir está ligado ao sentido da audição. Por exemplo, uma pessoa surda não ouve e nem escuta. Mas, uma pessoa dita normal pode ouvir e escutar, ou não.

A diferença é a raiz latina da palavra. Ouvir vem de audire enquanto escutar vem de auscultar, ou seja, ouvir atentamente, assim como o médico “auscuta” o coração do paciente para constatar malignidade em sua saúde, ou não.

E são os momentos de distração, falta de concentração, que são tão frequentes em um ser humano normal que acarretam a maior parte dos pequenos erros na transcrição.

A concentração absoluta por vários minutos é de poucos natos felizardos, ou ainda pessoas disciplinadas que aprenderam a se concentrar, por exemplo, fazendo ioga ou meditações ou orações, citando mantras e etc.

O desafio é essa luta contra a rapidez do cérebro que está atento a tudo o que acontece e tudo em sua volta pode ser fonte de atração à atenção do órgão máximo de nossa própria humanidade.

E o cérebro nos engana, ele é infiel, quem diria. Então, nossa luta máxima é contra a luta que existe entre o consciente, que está na tentativa de escutar e transformar em palavras o que julgamos que estamos ouvindo.

Por exemplo, palavras com som muito parecido como “a parte” e “aparte” ou ainda “trás” e “traz” podem aparecer escritas com erro, se não há um domínio maior sobre a língua culta. Então, ponto a menos aos que dizem que é fácil transcrever, basta escrever o que se ouviu. Não, isso não é verdade, é necessário ter escuta, um ouvido treinado para enfrentar as tempestades que virão (áudios de qualidade ruim ou sobreposição de vozes ou falas baixas).

É necessário dominar minimamente o assunto a ser transcrito, e é por isso que eu não consigo acreditar que uma pessoa seja especialista em diversos tipos de transcrição, pois cada um tem uma característica única e deve ser respeitada. Por exemplo, teria dificuldade em transcrever uma convenção sobre farmacologia com aqueles nomes complicadíssimos, ou talvez um congresso que tenha como tema medicina chinesa.