Fator exaustão do transcritor de áudio

Fator exaustão

Fator exaustão do transcritor de áudio

Fator exaustão do transcritor de áudio existe? Sim. definitivamente existe.

Ele decorre do desgaste diário na atividade. Hora a hora o rendimento cai e existe um estresse crescente à medida que se passam as horas de trabalho. O trabalho de transcritor exige concentração e normalmente é solitário, o que acaba por refletir na qualidade decrescente durante a transcrição de uma hora.

Não confio quando dizem que uma pessoa consegue transcrever duas horas por dia. Se for só transcrever material, tudo bem. Mas, ao revisar, o tempo de revisão depende da qualidade da primeira versão produzida, e a qualidade sofre desgastes no decorrer do dia.

Há desgaste em transcrever? Sim. O cansaço não é físico mas psicológico. Começa a haver uma saturação sobre o assunto ou sobre o trabalho. Chamo a isso de “nojo” de transcrição de áudio. Eu mesmo o tive durante os primeiros dois anos. É uma sensação estranha, em que tudo parece se arrastar, o áudio não avança mas o tempo passa.

Mesmo hoje, ainda não consigo transcrever mais do que 18 minutos a 24 minutos na primeira fase, quando o áudio está muito bom e meus dedos não doem. Isso ocorre enquanto não passa a primeira hora. Depois os dedos ficam doloridos e o corpo parece desanimar. É um sentimento estranho.

Considere o quadro abaixo para avaliar o fator de exaustão do transcritor de acordo com o tempo de atividade profissional e o tempo dedicado a determinado áudio.

Quadro que representa desgaste para diferentes níveis de experiência de um transcritor. Considera-se a cada 300 horas se atinge um nível de experiência que possibilita um desgaste menor à medida que vai evoluindo na profissão.

Consideramos que até 300 horas transcritas se trata normalmente de um transcritor com níveis de acertos baixo, e se considera médio a partir de então.

Acima de 300 horas transcritas consideramos já um bom profissional e acima de 900 horas um transcritor já a nível de revisor. Naturalmente senioridade não significa necessariamente um bom profissional, pois para que haja qualidade na produção, isso envolve compromisso que varia de indivíduo para indivíduo.

O sinal “+” significa o nível de estresse para cada fase do trabalho de audição, transcrição e revisão.

Esta tabela não é linear, apenas ilustrativa do que este autor passou de estres durante sua jornada e representa o nível de estresse emocional que o mesmo experimentou durante sua trajetória profissional, quer seja por razões econômicas, quer seja por não dominar todas as ferramentas disponíveis.

300-600 horas 601-900 horas > 900 horas

1ª audição

+ + + + +

+

2ª audição

+ + + +

+ + +

+ +

3ª audição

+ + + + +

+ + + +

+ + +

REVISOR

+

+

+

 

O nível de estresse depende da experiência do transcritor. Mas também vai aumentando de acordo com o número de audições que uma pessoa é obrigada a se submeter para completar as revisões. O ouvir uma terceira vez o conteúdo de áudio é frequentemente torturante.

Neste ponto é que entra o revisor, que tem um nível de stress baixo em relação ao áudio transcrito. É como se chegasse a cavalaria quando tudo parecia estar perdido para os pioneiros em filmes de faroeste.

Novos combatentes descansados e experientes são fundamentais. Por exemplo, durante a Primeira Guerra, a chegada de tropas descansadas americanas ao fronte europeu causou ao Exército alemão desgastado uma nova fonte de preocupação.

Da mesma maneira, o revisor é um combatente experiente que entra no fronte com todo seu conhecimento e sua disposição ao conferir um áudio sem estar submetido ao stress acumulado por audições sucessivas, contínuas e repetitivas de um mesmo conteúdo de áudio.

E essa é a razão pela qual somente a ação de um revisor frequentemente é necessária para a sanidade e salubridade do trabalho de um transcritor em uma rede de transcritores.

Todo conteúdo do Blog da transcrição de áudio (link externo)